O Parkinson é uma doença neurológica crônica e progressiva, sem causa conhecida, que atinge o Sistema Nervoso Central e tem como característica mais comum o comprometimento do movimento. Estatisticamente, a doença inicia a partir dos 55, 60 anos e sua prevalência aumenta a partir dos 70, 75 anos.

 

Apesar de não se saber a causa exata da Doença de Parkinson, sabe-se que ocorre a morte de células no cérebro (substância negra) que são responsáveis pela produção de dopamina, esta entre outras funções, é responsável pelo controle do movimento. 

 

Os sintomas podem variar de paciente para outro, mas de maneira geral é de início lento e insidioso e nem mesmo os próprios pacientes conseguem precisar a época que se iniciou a doença. Um dos primeiros sintomas perceptíveis são a lentificação dos movimentos e os tremores de extremidades, no entanto, outros sintomas seriam a rigidez muscular, acinesia(redução da quantidade de movimento), distúrbios da fala, dificuldade de engolir, depressão, dores, tonturas, além de distúrbios do sono, respiratório e urinário.

  

O tratamento da Doença de Parkinson deve ser feito de forma multidisciplinar, que inclui medicamentos prescritos pelos médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, além de psicólogos e nutricionistas. No tratamento fisioterápico trabalha-se exercícios cardiorrespiratórios, exercícios musculares de resistência e flexibilidade e exercícios para manutenção de amplitude articular, além de treinamento de marcha e equilíbrio.

 

Como a Doença de Parkinson é progressiva, o tratamento multidisciplinar será importante, pois irá reduzir o prejuízo funcional da doença, permitindo ao indivíduo mais independência e qualidade de vida. 

 

 

 

 

Patrícia Rosolem
Fisioterapeuta
CREFITO 344553-F

Compartilhe:
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn